Páginas

7 de maio de 2015

O amor é um verbo: como doar meu cabelo mudou a minha vida

Dedico esse texto à minha prima Hiara, que me inspirou a doar meu cabelo.

Fico pensando o que é que podemos fazer aqui na terra que toque o céu de uma maneira diferente... O que é que move as estruturas do céu? O que é que faz com que Deus se incline sobre seu trono e se surpreenda na majestade do seu reinado? O que é que toca seu coração? O que é que coloca um sorriso em seu rosto?

Deus é amor. O amor não é deus, mas Deus o é inteiramente. Um amor que não entendemos, grande demais para nossa humanidade. E, ao contrário do que dizem por aí, o amor se incomoda profundamente com as dores do mundo, muito embora elas não sejam suas, porque amor de verdade não é egoísta. Amor é doação. Amor é não esperar nada em troca.

Foi num dia despretensioso desses que algo entrou no meu coração e tratou de não sair mais: alguém plantou em mim a vontade de doar o meu cabelo para a confecção de perucas para crianças com câncer. O amor é assim, chega quando a gente não espera, chega pra não deixar nosso coração se tornar inacessível, irredimível, impenetrável. Amar é um verbo, mas a gente precisa conjugar além da primeira pessoa.

Foi um longo caminho até então: se eu ia doar algo de mim, seria o melhor que eu pudesse! Tive que construir dentro de mim coragem e ousadia para pisar nos medos da rejeição, construídos lá pelas bandas do inconsciente, onde a gente começa a se tornar, sem querer, escravos do padrão de beleza de gente que nem existe de verdade, de gente que precisa de filtro e maquiagem pra disfarçar o quanto são feias por dentro. Depois que a gente começa a se desprender de todas essas bobagens, o melhor acontece: o amor vence! Você não liga para mais nada, só quer que uma criança saia balançando seu cabelinho por aí, mesmo que ela nunca venha a saber quem você é. E, assim, a gente corta a cabeleira, faz tudo conforme manda o figurino, bota em uma caixinha, manda pelo correio e o sonho de alguém se realiza porque você decidiu fazer Deus sorrir. Poucas sensações são como essa...

Pedi a Deus que essa semente virasse uma árvore que desse frutos no tempo certo. Fiquei feliz porque, até agora, da minha semente tão pequena que eu decidi semear no tempo mais escuro da minha vida, minha árvore já deu 7 frutos. Uma loucura de amor impulsionou 7 outras loucuras. Mas eu quero mais...

A verdade é que todos somos humanos. Todos temos uma natureza terrível que nos leva a fazer o mal que não queremos, e, o bem que queremos fazer, esse não fazemos. Mas, na caminhada com Deus, aprendemos a conjugar o verbo amar. Passamos a viver todos os dias para colocar um sorriso no rosto dele. E, assim, descobrimos que é impossível amá-lo e não amar o que ele ama. Fica fácil trazer o céu na terra quando isso acontece: é a mais linda colisão de todas. O coração de Deus é movido quando decidimos fazer algo extraordinário, nem que seja uma gotinha de bondade em um oceano de maldade. Porque onde a luz chega, a escuridão tem que sair. Que tal decidir brilhar essa luz hoje?

Decida você também doar o seu cabelo. Envie para o Cabelegria:

A/C Cabelegria
Avenida Parada Pinto, 3420, Bl. 06, Ap. 33
Vila Nova Cachoeirinha
São Paulo - SP
02611-001

O comprimento mínimo é 20 centímetros e, sim, cabelos com química também são aceitos. Facilite, amarre o cabelo antes de cortar e coloque-o, seco e amarrado, em um saco plástico! Envie e contagie as pessoas para fazerem o mesmo. Depois, quero saber TODAS as histórias! Aqui, compartilhei apenas um pouquinho do que foi uma jornada de 4 meses de muita mudança em meu coração. Quem sabe não escrevo de novo contando mais um pouco? Quem sabe?!